Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, dogviLLe, soledaD, Homem, de 20 a 25 anos, French, Portuguese, Arte e cultura, Música
MSN - mathhheuss@hotmail.com



Histórico


    Votação
     Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
     érika m(eu)achado
     Almodovarlândia
     cine blasé
     éden
     ling ling
     extra pato
     extra fu
     pink & cérebro
     um só
     plástico bolha
     abu
     adlafam
     jumbo eleKtro
     laerte
     impressão crua
     ornitorrinco mendes
     marcos


     
     
    Crônicas de Lan


    Microcontos de Natal

     

    MAIS UM PONTO DE NATAL

     

             - Nossa... Desta vez o tombo foi feio, hein()

             - Minha testa tá sangrando, ai...

             - É o que acontece quando a gente se corta, querido...

             - Será que não dá pra improvisar um curativo() Faltam seis minutos para a meia noite... A comida parece estar tão gostosa...
             - Acho que não. Pode infeccionar. Melhor ir logo pro hospital.

             Algum tempo depois, assistindo à Missa do Galo pelo televisor da sala de espera:

              - Ótima idéia sua dar um skate como presente para o nosso filho, querido.

     

    PELO TELEFONE

     

                - Não precisa de muito. Eu só quero que você esteja aqui.

                - Mas como vou participar do amigo oculto se não comprei presente e já está em cima da hora()
                - O presente é sua presença, filhinho...

     

    BUMERANGUE

     

            - Mas mamãe... Você me deu uma boneca sem braço de presente...

            - Bem parecida com aquela que você doou ano passado para a campanha de natal do nosso bairro, não acha()

     

    VIRTUAL INAUDÍVEL

     

              Trabalhar durante o natal não era bom, mas a escala de sua empresa era irreversível. De qualquer forma viria uma folga no reveillon quando poderia estar junto de seus queridos amigos e de sua família, que estavam longe naquele momento.

                Por hora, com a ajuda de câmeras, mouses e monitores, se aproximariam o suficiente, lá pela meia noite, para trocarem votos de felicidades e boas festas.

     

    MULTIPLICANDO O PÃO

     

              - Achei um pedaço de pão naquela lata de lixo. Quer a metade()

              - Claro... Mas tem mais um camarada aqui morrendo de fome...

              - Então o repartiremos em três partes iguais.

     

               E em todos os cantos deste mundo cada vez mais populoso, diálogos casuais e desencontrados se entrecruzam e, mesmo que não seja intencional, eles giram em torno de um mesmo propósito: um sentimento de nascimento diante do inesperado.



    Escrito por Matheus Alamedas às 3:50:10 PM
    [ ] [ ]




    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]