Meu Perfil
BRASIL, Sudeste, dogviLLe, soledaD, Homem, de 20 a 25 anos, French, Portuguese, Arte e cultura, Música
MSN - mathhheuss@hotmail.com



Histórico


    Votação
     Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
     érika m(eu)achado
     Almodovarlândia
     cine blasé
     éden
     ling ling
     extra pato
     extra fu
     pink & cérebro
     um só
     plástico bolha
     abu
     adlafam
     jumbo eleKtro
     laerte
     impressão crua
     ornitorrinco mendes
     marcos


     
     
    Crônicas de Lan


    ulaiê

            Uma ventura promissora encobre mil desonestidades miraculosas? Vícios são muletas? Hábitos são determinismos imutáveis? Hábitos apenas crescendo... Como vermes, como pestes... Nas vitrines mais vitrines - em cada credo uma ilusão. Tem gente que não fala a palavra, mas falta de sorte é azar. Ó horizonte reluzente! Ó horizonte nebuloso! Esperar bonança? Ambicionar sucesso? Melhor não... Apenas paz. Um pouco de paz. Com licença, por favor. Me desculpe, deixa eu ir. Vamos lá! Vamos lá! Que o sol esquenta a gente...

    texto . matheus matheus
    alusões . john ulhoa



    Escrito por Matheus Matheus às 5:11:52 PM
    [ ] [ ]



    Deixa, Star

    para Antonio Cícero

    Gosto de ser. Estar nem ligo. Deixa. Ser star nem quero. Obrigado, não. Não tenho vocação para aparecer. Quanto às minhas letras, lavro, à meia luz, inebriado de aspereza e leveza. Ao som da meia voz da tua irmã, que vale por duas cordas vocais: a voz que sai da boca dela, explícita gata implícita; e a sua, através da caixa de som, observando os fios, advinhando naquele emaranhado caótico de eletricidade, um harmônico tecido fino. Comigo, que ouço, três. Menage telepática, via de mão única, bronha sobremáquina. Andar pelas ruas anônimo, vezenquando flertar. Só fazer o que der prazer.



    Escrito por Matheus Matheus às 3:54:30 PM
    [ ] [ ]



    Sobre O Amparo De Ter Uma Voz Para Ler O Que Escrevo

    Para Amparo

     

    Chega na hora certa
    Sempre pontual
    Hora de linha aberta sim
    Dar vida a um texto meu não é coisa fácil
    Cada sílaba bem pronunciada
    Cada vírgula, ponto e travessão respeitados
    Nada sendo atropelado

    Ler em voz alta é respirar o mesmo ar de quem escreveu

    Ah... se todo mundo me lesse assim
    Meu munduniverso seria um contínuo fluxofloema

    Sem palavras para agradecer



    Escrito por Matheus Matheus às 2:22:29 PM
    [ ] [ ]



    40 Anos da Biblioteca Municipal de Mateus Leme

            Em função das comemorações dos 40 Anos da Biblioteca Municipal de Mateus Leme, ocorrerá no dia 10 de Maio, a partir das 18 horas, em frente à Biblioteca, um evento gratuito e aberto à toda a população, com apresentação da Banda Municipal de Mateus Leme, sarau de poesia infantil, exibição de curtas-metragens e performance da poeta Ana F. Também haverá premiação dos vencedores do 1º Concurso de Poesia Infantil e de Curtas-Metragens produzidos pelas escolas locais.
             Minha colaboração vai em forma de um texto que escrevi em homenagem à escritora local Irene de Melloneves. Em breve, este texto estará por aqui.
             Ainda dentro das comemorações, haverá durante todo o mês de Maio, durante o horário de funcionamento da biblioteca, a exposição "Raízes da Terra - Literatura & Arte", com textos e livros de escritores de Mateus Leme. Prestigiem!



    Escrito por Matheus Matheus às 12:18:40 PM
    [ ] [ ]



    Morro Velho [para Ana F., Rodrigo e Leopoldina]

    No peito
    Uma fincada
    De viola
    Ao invés
    De enxada



    Escrito por Matheus Matheus às 5:41:04 PM
    [ ] [ ]




    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]